HOJE
Sábado

04Nov

COMO EQUILIBRAR AS CONTAS?

 




Governadores e prefeitos eram sabedores, que deveriam controlar os gastos para não colocar em risco as finanças de Estados e Municípios, infelizmente poucos seguiram as orientações dos especialistas, e agora estão tendo que arcar com as consequências. Os gestores que seguiram as orientações, para cortar o máximo possível de gastos, conseguiram equilibrar as contas e estão tranquilos.

Os recursos da repatriação serviram para dar o suporte necessário que Estados e Municípios precisavam, no tocante ao equilíbrio das contas, infelizmente muitos gestores pensaram que teríamos tais recursos à disposição sempre, e não se organizaram administrativamente para equilibrar as contas, e o resultado é um final de ano conturbado, que será necessário muito equilíbrio fiscal para colocar as finanças de Estados e Municípios em ordem, para iniciar 2018 com as contas equilibradas e afastar o fantasma do atraso, de salários e do pagamento dos fornecedores.

A receita não é tão complicada, basta cortar gastos desnecessários para manter o equilíbrio fiscal, montar uma equipe qualificada para através de projetos eficientes que visem à aquisição de recursos junto a União, contratar o número de funcionários estritamente necessário para manutenção dos serviços públicos com a qualidade desejável pela população.

É chegada a hora de deixar os acordos políticos feitos nas ultimas eleições de lado, e priorizar a gestão, visto que infelizmente nem todos os aliados colocados em cargos de confiança têm a qualificação desejada para encontrar soluções que irão possibilitar as administrações, sejam elas estaduais ou municipais, a eficiência necessária para contornar as dificuldades impostas pela atual conjuntura política e econômica nacional.

Sinceramente não queria está na pele dos atuais gestores, os mesmos têm uma difícil decisão para tomar, decisão que se acertada, irá lhes possibilitar os aplausos da população que lhe colocou no poder. Entretanto se tomarem uma decisão equivocada, muito provavelmente serão apontados como maus administradores e terão a carreira política aniquilada.

Os gestores públicos precisam ter a consciência de que chegaram ao poder através do povo, portanto, o poder pertence ao povo, e não a eles, o gestor que pretende administrar para os aliados políticos, e deixar o povo de lado, será duramente penalizado nas próximas eleições. Ainda tem tempo de concertar os equívocos cometidos, mas não muito tempo, cabe aos senhores governadores e prefeitos buscarem a eficiência administrativa e governar para quem lhes colocou no poder, ou seja, o povo.

Se a administração pública é eficiente, os serviços disponibilizados à população, mesmo com todas as dificuldades impostas pela “crise” serão de qualidade e deixará a população satisfeita com a gestão. O que não pode acontecer é colocar a culpa de tudo que está acontecendo na “crise”, visto que, a competência administrativa e o equilíbrio fiscal irão contornar, todas as dificuldades trazidas pela crise econômica, administrativa, política, institucional e ética que assola todas as esferas administrativas do território nacional, ou seja, temos que deixar os discursos de lado e partir para ação.   

Professor Cícero