HOJE
Quinta Feira

09Mai

“A saúde brasileira na UTI”

 




Um dos Projetos de Estado que, é motivo de orgulho para todos nós brasileiros, por servir de exemplo para outros países, vem sendo motivo de vários debates que na sua maioria aponta para o descompromisso com a coisa pública, como um dos principais, se não o principal fator que conduziu o SUS (Sistema Único de Saúde) a UTI. No papel o SUS é sem dúvida o melhor plano de saúde que todos nós poderíamos disponibilizar para nossos familiares, entretanto o número considerável de profissionais, sem a devida qualificação, como também, ética profissional, trabalhando na gestão e operacionalização do Sistema Único de Saúde, vem comprometendo a eficácia do sistema. Principalmente a ausência da ética profissional vem contribuindo para o aumento dos desvios de recursos, que por consequência afeta a disponibilização de serviços que os usuários do SUS têm direito, mas que para usufruir destes serviços se sentem obrigados a travar uma verdadeira batalha judicial. Os avanços no setor de saúde no Brasil, principalmente quando levamos em consideração a infraestrutura hospitalar instalada nas principais cidades brasileiras, contribuiu para amenizar o sofrimento dos usuários do SUS, mas em contra partida os habitantes dos centros urbanos mais bem equipados em termos de infraestrutura hospitalar, disputam os serviços disponibilizados pela rede pública de saúde em seus municípios, com os habitantes de outros municípios que infelizmente têm de se deslocar vários quilômetros dentro de uma ambulância até o centro urbano mais próximo e que dispõe de equipamentos de saúde com melhores condições para prestar o atendimento médico que o paciente necessita, porque nos municípios de menor porte e geralmente sem a infraestrutura hospitalar mínima, só disponibilizam para seus pacientes a “ambulancioterapia” . Comunmente os telejornais apresentam reportagens com pacientes aguardando atendimento, nos corredores dos hospitais, em macas, cadeiras de rodas e até mesmo no chão, exames que deveriam ser marcados e realizados em poucos dias, devido à urgência para serem apresentados ao médico que solicitou, geralmente levam meses para a marcação, e quando são realizados, em muitos casos devido à demora em serem entregues aos pacientes, já não têm mais validade, isso quando não acontece o pior, o paciente já tem ido a óbito. Outro ponto crítico é a marcação e realização de cirurgias, que devido a grande demanda, alguns pacientes para ter seu direito garantido têm que dar entrada em um processo judicial solicitando a realização de algo que o mesmo tendo o direito garantido por lei, mas se ver obrigado a recorrer às vias judiciais, causando desgaste emocional e agravando seu quadro de saúde. Infelizmente devido o descompromisso com os recursos público, a desvalorização da vida e principalmente a ausência do sentimento de coletividade presente no ceio da sociedade brasileira, a saúde no Brasil continuará por muito tempo na UTI, com um sério risco de morte, visto que a classe política brasileira que deveria se preocupar em resolver os problemas da nação, em sua grande maioria só se preocupa em garantir os empregos de seus apadrinhados políticos e sua reeleição, e seus eleitores não têm em sua maioria o discernimento para perceber o grande mal que estão causando, ao reeleger e consequentemente manter no poder a mesma elite política esquizofrênica que não tem o menor compromisso com o bem geral da nação. Professor Cícero